xxxxxxx

******

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Natal???




Estamos em clima de Natal.
Como eu sei?Não, não é pelo tumulto das lojas e das compras de enfeites e adereços, nem mesmo pela movimentação dos sorteios do amigo Secreto ou Oculto, nada disso. Este ano a proximidade do Natal chegou com um  baita susto e com aquelas gafes e micos que me são peculiar.
No domingo à noite eu estava lendo os meus e-mails quando começou uma ventania,eu fui fechar a janela.
Ao levantar os olhos para alcançar o trinco,vi uma cena  que me deixou estarrecida. Um homem um tanto gordinho tentando pular a janela da casa do vizinho.Esfreguei os olhos e me perguntei:
_ Será que vi direito? Com certeza vi! Lá estava ele talvez encontrando alguma dificuldade para pular a janela por causa da silhueta  fora de forma.
Corri logo para perto do meu marido e meio esbaforida fui dizendo.
_Tem ladrão na casa do Marcelo!
Meu marido  assustado, já ia se dirigindo ao portão quando eu completei:
_Ele está tentando entrar pela janela, só vejo meio corpo para fora.
Meu marido voltou, sentou-se no lugar que estava antes,morrendo de rir
(ele já havia visto).
Sem entender nada eu abro a cortina da sala e olho .Lá está a figura! De calças vermelhas e botas pretas, na mesma posição em que eu o avistara pela primeira vez.
Só então percebi que era um boneco em tamanho natural, imitando um Papai Noel a entrar na casa.
Começo a rir também e comento:
_O que há com as árvores de Natal e as luzinhas piscantes?
Só então fico apreciando a criatividade e a imaginação.
Não é que foi uma boa idéia?
Tem também  o Papai Noel (Pai Natal como se diz lá em Portugal), que sobe uma escada ,o povo pendura perto da janela,mas confesso que desse tamanho natural eu ainda não havia visto.
Também preciso entar no clima de Natal, quem sabe eu arrume um trenó para esse Papai Noel fugir depois que entregar os presentes?
Tá valendo!
Ho!Ho!Ho! Feliz Natal!




Wanda Wenceslau

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Fases




Em uma tarde de outono você lembra-se de uma outra tarde lá na sua infância. Você fazendo o que gostava. Por mais que você tente ser racional aquela cena te induz a entender aquele momento como a essência da sua vida.
Já uma lembrança de verão traz emoções das quais pareciam mais fortes quando você era jovem. Lembrando um amor, você respira fundo e acredita que viveu da maneira correta, ou por mais que volte no tempo, iria deixar tudo como foi.
As flores da primavera tentavam te consolar sobre aquela perda. Não sabe onde, mas um dia você acordou e sua vida não estava mais lá. Alguém roubou o motivo pelo qual seu organismo lutava por mais e mais sentimentos.
E nesta fria noite de inverno você, sentado ao lado da própria lápide, pensa se foi capaz de apenas viver. Sabe que não sabe se viveu da maneira certa e já se conformou que não há como saber. As preocupações de diversos gêneros que te atacaram quando vivo, hoje só permeiam as faculdades responsáveis pela lembrança.
Você não quer perder toda a sua vida, porque não viveria diferente, porque até onde ainda sabe, a oportunidade foi única.


Wanda Wenceslau


"
A velocidade e direção de nossos caminhos pela vida são de acordo com nossa idade.
Nós corremos precipitadamente pela infância, sem nunca olhar pra trás.
Esperando que acabe o mais rápido possível.
Enquanto envelhecemos, ocasionalmente diminuímos o bastante pra observar ao redor e apreciar certos momentos. É uma clara demonstração de crescimento.
É só depois dos 70 anos, quando seu ritmo está lento, e a longa corrida está próxima de acabar que gastamos a maior parte do nosso tempo olhando para trás e nos perguntamos porque estávamos sempre com tanta pressa.

(Pensamento extraído do Seriado Everwood- Uma segunda chance)

"



quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Voltando





Amigos,andei ausente por motivos de doença na família.
  Estive  em um momento delicado da minha vida,
cuidando da minha mãe doente, de minha filha que operou o tornozelo e não podia andar,
ajudando a olhar minha neta , cuidar da casa , compromissos diversos.
Este é o motivo de meu afastamento. Porém como não há mal
que perdure, espero voltar aos poucos ao convivio de meus amigos e seguidores,
desta forma, continuar postando e me comunicando
com todos vocês!

Um grande abraço,

Wanda